quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Strangers At Our Doors

“Numa flagrante violação da intenção e das promessas modernas de substituir as incertezas do destino por uma ordem coerente das coisas, sem ambiguidades, orientada por princípios morais de justiça e responsabilidade – assegurando assim uma correspondência estrita entre as aflições dos humanos e suas opções comportamentais –, os humanos hoje veem-se expostos a uma sociedade repleta de riscos, mas vazia de certezas e garantias. A primeira causa é a transcendental ‘individualização’, codinome dos que representam para a imaginada insistência da ‘sociedade’ em subsidiar a tarefa de resolver os problemas gerados pela incerteza existencial com recursos eminentemente inadequados exigidos dos próprios indivíduos. (...) Como Byung-Chul Han sugere, nossa ‘sociedade de desempenho’ se especializou numa mudança no campo da manufatura e no expurgo de ‘depressivos e desajustados’. Eles são simultaneamente vítimas e cúmplices do seu fracasso e da depressão que ao mesmo tempo é causa e consequência. (...) Com os poderes do alto lavando as mãos e rejeitando seu dever de tornar a vida das pessoas suportável, as incertezas da existência humana são privatizadas, a responsabilidade para enfrentá-las tem de ser arcada pelo frágil indivíduo, enquanto as opressões e calamidades existenciais são descartadas como tarefas tipo ‘faça você mesmo’ a serem executadas pelo indivíduo que padece. (...) Para o indivíduo que se vê abandonado e desalojado com a retirada do Estado, a ‘individualização’ pressagia uma nova precariedade da condição existencial: uma situação ruim que se torna cada vez pior.”

Mais claro pra hoje, ultimamente e, quem sabe, sempre, impossível!

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Dor e febre

Uma frase incrível virou meme: "Manhãs são feitas para café e contemplação". E não é isso, e apenas isso, que eu faço quando acordo aos finais de semana? Ou quando preciso sair e prefiro sempre, sem sombra de dúvidas caminhar até o meu destino enquanto tenho meu 'café' em minhas mãos? É isso!

Sabe isso me faz pensar e refletir cada vez mais que eu preciso, definitivamente, ser menos urgente. Posso dizer que estou tentando... quer dizer, não, não posso. O objetivo é conseguir e não tentar. Eu preciso ser menos urgente, emergente e menos ansioso.

O medo, que eu nem tinha antes, de nada, agora tomou a forma mais abstrata que conheço. O de acabar, como ser humano de carne e osso sem ter as coisas que desejo. Mas é contra este medo que preciso lutar, e não correr como louco achando que vou conseguir tudo que quero.

Estou mais calmo hoje, mas ontem, depois das dores e febre, fiquei desesperado. Doente, de novo? Vai ficar tudo bem. É que as vezes você só quer ter alguém que fique quieto ao seu lado tomando 'café' e contemplando as manhãs.

Carpe Diem

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

O corpo em vida

O corpo em vida é o feito mais incrível
O que se sente nele e por ele é intransferível
Puro mistério e ao mesmo tempo tão evidente
E pra nosso azar, tem validade, é decadente

O corpo em vida tem um coração que não para jamais
Fluídos que percorrem sem cansar nossos órgãos vitais
Um encéfalo e uma visão que, enquanto respiramos, não cedem
Sonhos que temos e não sabemos da onde procedem

São tantos detalhes, que muitos chamam de universo
E por que não seria, se nele cabe tanta vida?

O corpo que está vivo também possuí tudo que precisamos
Se fornecemos o combustível que escolhemos e nos damos

Meu corpo em vida, por exemplo, é decidido por alguém
Pensa todo dia e noite, e se alimenta até pelo desdém

Meu corpo em vida, está em frenesi, loucamente apaixonado
Por alguém que não devia, e se definia mal amado

Meu corpo em vida, além de tudo, tem forças de sobra
Ama quase em silêncio, e faz de tudo pra concluir sua obra

O corpo em vida, dado seu coração incansado
Órgãos vitais firmes e seu encéfalo imensurado
faz o que quer fazer, mas no fundo, só quer ser amado

Nathan Sampaio

sexta-feira, 29 de julho de 2016

All for the best

Quando você se sentir triste, ou sob uma maldição
Sua vida é ruim, suas perspectivas são piores
Sua esposa está suspirando, chorando
E sua oliveira está morrendo
Templos estão envelhecendo, e os seus dentes deteriorando
Os credores pesando sua bolsa
Seu humor e seu robe, são ambos um azul profundo
Você aposta que aquele trabalho não tem nada pra você...

Não se esqueça que ao chegar no céu você será abençoado
Sim, é tudo para o melhor...

Alguns homens nascem para viver à vontade, fazer o que quiserem,
Mais rica do que as abelhas estão com seu mel
Nunca envelhecem, não sentem frio
Puxam potes de ouro a partir do ar
Os melhores em cada cidade, melhor em extorquir
Melhor em fazer montanhas de dinheiro
Mas eles não podem levá-la com eles, o que importa então?
Eles obtém o centro de tudo, almofadas no assento
Casas na rua onde faz um dia ensolarado
Verões no mar, invernos quentes e incríveis
Tudo isso e ficamos com o resto
Mas para quem é a terra? O sol e a areia?
Você adivinhou! É tudo para o melhor ...

Não se esqueça que quando você chegar ao céu você será aquele abençoado!
Sim, é tudo para o... (seus erros serem reparados)
Sim, é tudo para o... (não se angustie)
Sim, é tudo para o... (alguém que é oprimido!)
Sim, é tudo para o melhor!!!


sábado, 23 de julho de 2016

Minha âncora

Significado por significado, uma âncora é um instrumento náutico pesado que ajuda barcos e navios a se fixarem temporariamente em uma posição desejada.

Meu senso estético fez com que eu escolhesse âncora para ser tatuada em minha costela esquerda, por ser um objeto relacionado ao oceano, a atividade pesqueira, a marinha pois são coisas que eu gosto muito.

Significados superficiais a parte, existem também os sentidos mais profundos que me ajudaram a definir algo que ficará comigo até que meu corpo desencarne. 

 A âncora também pode representar, de modo simbólico, a determinação de resistir a qualquer tipo de situação, já que é um objeto que se recusa a se mover, independente da força da água que está sobre ele.

Positividade, resiliência e coragem através de capacidade de enfrentar situações adversas, eu busco disso o máximo que posso. Ainda associada a resiliência, busco uma maneira de representar a fé e esperança que em mim habita.

Outro tipo de simbologia que encontrei no significado foi a representação da gratidão para pessoas que participam diretamente de sua vida ou que são vitais para te manter “no chão”, mantendo o equilíbrio e a estabilidade. Normalmente ligada com a família ou com a amizades.

Além de tudo, achei algo historicamente representado pela âncora: o sacrifício, o respeito pela perda, ou a força para enfrentar desafios.



Sou o marinheiro do meu ser. Sou o capitão da minha alma.


quarta-feira, 20 de julho de 2016

Sentir vida

Uma das perguntas que eu mais faço hoje em dia é, por que tanta coisa no mundo criado por nós não faz sentido? A questão gera uma verdade inconsequente e variável: sentir vivo dói. E se sentir vivo, parece que é para poucos, porque está acima de todos os portos seguros que você ou eu já construímos em torno de nós até agora.

Visivelmente, sentir vivo, é o contrário daquilo que é viver anos a fio fazendo algo induzido pelo sistema, ou estagnado cometendo os mesmos erros, ou trabalhando para uma empresa ganhando um salário medíocre e fazendo coisas como se alimentar mal, reclamar e odiar.

Sentir vida é libertar-se de todas as algemas que nos circulam, o que aos olhos de qualquer outra pessoa é uma dádivas ou extrema loucura. As horas passam, e a vida que se finge adorar, por que traz status construídos e relacionamentos superficiais, passa mais rápido ainda.

Todos os outros pequenos detalhes do dia a dia, são o ápice. O que para uns é um reinado, para quem vive, não traz meras sensações. Por isso me pergunto tanto quando nada mais faz sentido. Talvez o sentido esteja em simplesmente tentar ser quem você realmente é, descartando todas as coisas ruins, claro. Apenas as boas.

Acho que ser quem realmente somos faz parte do verdadeiro processo de libertação. Se tivermos forças o suficiente para esse pequeno passo, que já nos faz sentir a dor de viver, talvez possamos ir compreendendo um pouco melhor, qual o sentido das outras coisas.

sábado, 16 de julho de 2016

Como eu sinto, como creio

Na real, parece que eu estou dentro de uma bolha e, lá, cresço, cresço sem parar, todos os dias, fazendo com que o espaço fique cada vez menor, com menos ar, menos vida. A impressão que dá é que a qualquer hora eu vou ocupar todo o espaço existente nessa redoma e eu não tenho certeza que ela irá romper.

Eu sinto que a cada fase pela qual passo me sinto tanto mais forte quanto vulnerável, como se minha força fosse proporcional ao meu calcanhar de aquiles. Ou seja, estou protegido, mas não totalmente. É como se toda a potência em mim depositada não fosse páreo para certas coisas, que poderiam me derrubar num sopro.

Eu e minha estranha capacidade de ser resistente para situações absurdas e frágil para situações costumeiras.

Onde esta o sentido para tal, eu já não sei. Sei apenas do que digo e repito incansavelmente aqui na internet, nas minhas orações, na minha alma: a esperança que eu tenho é maior e mais firme do que o medo de padecer quando a bolha não for mais capaz de me suportar. Porque o que eu sinto é diferente do que creio.