sábado, 27 de dezembro de 2008

Pensar por conta própria

Nosso sofrimento de amor prova, no mínimo, que sabemos amar. E também que temos sensibilidade, inteligência e capacidade de nos maravilhar com as coisas. É a prova de que somos capazes de experimentar emoções fortes, nos entregar de corpoe alma,nos apaixonar por uma causa ou atividade, sentir o sabor das coisas, distinguir as cores, reconhecer os cheiros - pois nosso corpo vibra. E nossa inteligência consegue decodificar, sutilmente, certos pensamentos, atos e olhares. Esse relacionamento difícil prova também que temos recursos e uma força sagrada, pois suportamos o pior, ou seja, a negação de nossos desejos e a indiferença, frustrações impensadas, a incerteza insuportável, variações de humor e de sentimentos de quem amávamos tanto. Ter sentido o amor e sobrevivido a ele prova que somos almas fortes, generosas, criativas e apaixonadas. Mas já é tempo de parar de procurar problemas. Devemos parar de mover nosso coração no vazio, dedicando nossas raras qualidades a uma paixão decepcionante. Com ou sem amor, devemos utilizar nossos recursos a favor de nós mesmos. Não precisamosdos outros para ser felizes. possuímos boas razões para viver. não devemos esperar a Felicidade (com "f" maiúsculo) de uma só pessoa. Em vez disso, devemos aprender a saborear inúmeros pequenos momentos felizes, mais modestos, mas ao nosso alcance. Devemos aceitar amar aquilo que amamos. Precisamos nos relacionar com pessoas que nos atraem. Ler livros, revistas que nos agradam. ver programas de tevê que nos divirtam e cantar nossas canções preferidas. Devemos celebrar a sorte de viver, de ter boa saúde e de ser ainda tão jovens, de corpo e de espírito. Pouco importa o que os outros pensam. Um tesouro esconde-se dentro de nós. "Somos jóias". Precisamos descobrir o que nos torna únicos e até excepcionais, pois somente nós olhamos e conhecemos desse modo, somente nós sentimose pensamos de nossa maneia particular. Devemos ousar ser quem somos, expressar nossas próprias idéias, sensibilidade, cultura e olhar. Precisamos confiar em nossas impressões e intuição. Devemosnos livrar dos papéis e reflexos herdados da infância ou do amor. E substituir a idéia de que somos detentores da Verdade, do Bem ou do Caminho Certo pela certeza de que possuímos uma riqueza verdadeira, pessoal e única. Pois só esse tesouro, a ser descoberto e redescoberto, nos fará felizes e atraentes. Quando uma personalidade ousa ser ela própriaem todas as suas particularidades, em toda a sua originalidade, torna-se muito sedutora. É difícil apreende-la, pois ela nunca é a mesma, nem sempre outra, pois se renova sem cessar. E é sedutora também porque está viva, livre e porque é Feliz.

Do livro "Amores que nos fazem mal"
Patricia Delahaie

Modificado

Um comentário:

Qarrlis disse...

un beso:D mucha suerte.